Para se construir um relacionamento feliz é necessário manter o foco nas qualidades do outro e não nas suas deficiências

O outro é… simplesmente perfeito!

Para muita gente, relacionar-se com o outro é quase uma missão impossível e assim uma minoria desiste de tentar e outra maioria insiste em errar. Sim, cometem erros e erros um após o outro e atire a primeira pedra em si mesmo, porque não há nenhuma pessoa que não tenha tido ou tem dificuldades em relacionamentos, principalmente os relacionamentos afetivos.

Por que será que uma coisa que todo mundo quer, se torna tão difícil? Talvez esteja mesmo aqui a reflexão. Veja bem: Eu quero ter um companheiro, um amor, um parceiro, seja lá o que for o nome dado, para as mulheres, com certeza, um amor. Mas eu nasci e me constitui em uma família e um ambiente com alguns dramas característicos e assim trago em meus comportamentos, pensamentos, sentimentos e emoções toda a bagagem dessa estrutura.

Por muitos fatores culturais eu penso em me relacionar com o outro e aí constituir minha família. O outro não é diferente e assim como ansiamos ardentemente pela nossa famosa alma gêmea, aproveitamos nossa química cerebral e pronto: achei o que me faltava. Idealizamos no outro aquilo que nos falta, ou seja, eu me apaixono e decido: é esta a pessoa que vai me completar de tudo o que eu preciso, que eu não consegui até hoje.

Rubem Alves escreveu: “É mais fácil amar o retrato. Eu já disse que o que se ama é a ‘cena’. ‘Cena’ é um quadro belo e comovente que existe na alma antes de qualquer experiência amorosa. A busca amorosa é a busca da pessoa que, se achada, irá completar a cena. Antes de te conhecer eu já te amava… E então, inesperadamente, nos encontramos com rosto que já conhecíamos antes de o conhecer. E somos então possuídos pela certeza absoluta de haver encontrado o que procurávamos. A cena está completa. Estamos apaixonados”

Como a paixão não permanece por muito tempo e o outro não consegue a façanha de me completar, eu me aborreço, reclamo sapateio, faço birra como uma criança exigindo um brinquedo caro que a mãe não pode comprar. O outro como faz as suas birras também, não entende porque é cobrado tanto e porque recebe tão pouco. E assim vai como uma bola de neve…

Se eu conseguir olhar para o que eu trago em mim e aceitar as minhas “melecas”, minhas deficiências, meus buracos afetivos e abençoar o que eu sou, sem julgamentos e culpas, posso recomeçar no agora e fazer todo o meu mundo diferente. EU SOU o que EU SOU e assim a paixão vai embora, mas o amor entra em seu lugar.

A partir de mim, melhorado, posso enxergar o outro apenas como ele é e não como eu o idealizo. O outro é perfeito e esta perfeição eu devo buscar o tempo todo e não suas deficiências. Buscando sua perfeição dentro do que ele dá conta, o ajudo a caminhar muito mais e assim vamos complementando nossa evolução lado a lado. Os relacionamentos não servem para outra coisa além de complementar a nossa evolução! Esta é a grande dificuldade!!! Muitos relacionamentos estão sendo construídos em base de trocas e não de doação; em medo e não amor; em apenas desejos e não em bênçãos e em muitas cobranças de propriedade.

O querido Padre Fábio de Mello disse que o verdadeiro amor é aquele que se tem por uma pessoa que não tem nenhuma utilidade para você. É uma verdade avassaladora, mas pouco percebida, principalmente neste meio social de tudo rápido, volúvel e externo. Uma grande pena!!!

Muita gente fala em amor incondicional, mas na primeira dificuldade o outro é apontado e julgado, rejeitado e abandonado em meio a muitas culpas. Eu te amo incondicionalmente, mas se acaso você não fizer exatamente o que eu quero, eu te abandono e nunca mais terá o meu amor. Amor incondicional é o amor sem utilidade, sem precisão, aquele apesar de… Além de… Mesmo que… Sem você! Eu sei que vou te amar… Por toda a minha vida eu vou te amar…

Nosso grande filósofo Rubem Alves nos aponta em suas reflexões, o quanto é necessário a liberdade do ser humano. O homem nasceu para experienciar e não para ficar preso. Então, experienciamos a vida juntos, porque o ser humano também não nasceu para ser só, nasceu para vibrar em profunda harmonia com o outro, apreciando o seu caminho, pois afinal, EU Sou o Outro e o Outro é… Simplesmente Perfeito!!!

 

por Tina Muniz
Psicóloga, Terapeuta Holística especializada em Toque Quântico e EFT.
E-mail: tinamuniz_sil@yahoo.com.br

About The Author

Tina Muniz

Psicóloga, terapeuta holística há 25 anos com inúmeras formações em terapias naturais e energéticas. Incansável estudiosa da Psiconeurociência, Cura Quântica, PNL, Hipnose e a Vida e Ensinamentos do Amado Mestre Jesus. Tem como foco principal o trabalho com Relacionamentos Afetivos, possibilitando o trabalho de questões físicas, mental, espiritual e emocional. O Trabalho de Tina Muniz visa o SER em sua completa singularidade. Para saber mais acesse: tinamuniz.com.br ou envie um e-mail para contato@tinamuniz.com.br