Por ser muito cobrada pela sociedade e exercer diversos papéis, é comum muitas mulheres darem valor excessivo a autocríticas como “eu sou gorda demais, não sou boa o suficiente”.

Autoestima: Ouça a voz do anjinho

Você sabia que a baixa autoestima é uma das causas de grande sofrimento para muitas mulheres? Isso acontece porque quem não tem consciência do seu valor acaba comprometendo todos os aspectos da vida. Segundo a coach de relacionamento Miria Kutcher, todos nós temos duas vozes ecoando em nossa mente: a voz do “anjinho” e a do “diabinho”. Uma diz: “Parabéns, você fez um ótimo trabalho”! Já a outra fala: “Nossa, você poderia ter feito melhor”. Autoestima baixa acontece quando a voz do “diabinho” fala com a gente o tempo inteiro.

“É impossível para uma mulher ter uma boa autoestima se essa voz negativa fala com ela o dia inteiro”. Por ser muito cobrada pela sociedade e exercer diversos papéis, é comum muitas mulheres darem valor excessivo a autocríticas como “eu sou gorda demais, não sou boa o suficiente”.

Segundo Miria, autoestima é como o peso do corpo. “É impossível você manter o mesmo peso o dia inteiro. Antes do almoço é um peso, depois é outro. Se você pesa 60 kg, você não vai manter esse peso o dia todo. Ele sempre sofre variações. Se você não comer você vai perder peso, quando comer vai recuperar. Autoestima é a mesma coisa. Assim como existe um peso (número) para cada um de nós, existe também um número para nossa autoestima. A ideia é você entender esse número para conseguir melhorá-lo”.

Uma mulher com boa autoestima não mantém o foco em suas deficiências, mas nas suas qualidades. Se ela está na rua e um homem diz: “Nossa, mas você é gorda hein?” Ela até vai ficar chateada com a ofensa, visto que ninguém gosta de ouvir esse tipo de comentário, mas duas horas depois ela não lembrará mais disso, pois a sua autoestima não depende da aprovação daquele homem. Já uma mulher com baixa autoestima pode receber uma cantada na rua como: “Nossa, você é gostosa, hein?”. Ela ficará 10 minutos sentindo-se feliz e logo se esquecerá do elogio.

Todos nós temos pontos fracos e fortes. Se você sofre com baixa autoestima procure valorizar seus pontos fortes, suas qualidades, aquilo que você faz bem. Para cada autocrítica, liste 10 qualidades (com certeza você tem!). Valorize os seus acertos e aceite seus erros com serenidade. Não seja seu próprio carrasco. Afinal, nenhum ser humano consegue ser nota 10 em tudo.

About The Author

Karina Flôr

Idealizadora do projeto SINAEM, bancária, formada em jornalismo. Aprendeu a dizer "Não" e hoje é apaixonada por sua criança interior.